segunda-feira, 21 de julho de 2008

Que óóóddiiiiiiioooooo!

Quem me conhece sabe que sou uma pessoa que não tem acessos de fúria. Sou questionadora, falo bastante (até mais alto que gostaria), mas é difícil me tirar do sério. Algumas amigas me chamam de "centrada". Quem me conhece (bem!) também sabe que sou um pouco "Poliana". Que acredito na bondade e nas boas intenções das pessoas, até que me provem o contrário. Mas hoje me tiraram do sério.
Durante todo o processo de separação procurei tentei agir com o que achava que era "serenidade". Mas vou transcrever um trecho de um texto sobre a serenidade aqui que achei muito interessante e que me causou uma certa dúvida:
"Serenidade é prima da aceitação, mas não com a carga de mágoa que esta pode trazer. Depois que atravessamos um problema difícil, ansiamos que ele se resolva da melhor maneira para nós. Queremos que tudo fique como pensamos, que tudo se idealize num mundo perfeito imaginado na nossa cabeça. Mas a realidade se mostra diferente e precisamos aceitá-la, quando a força para a mudança já não é suficiente e, além disto, precisamos nos mobilizar para enfrentar o real e a partir daí trilhar novo caminho. Este ato de encarar, aceitar e continuar caminhando que eu chamo de serenidade."
Tive um ataque de raiva hoje, um acesso de revolta. Pela incompreensão por tudo que passei, pela arrogância com que fui tratada, pelo cerceamento do meu direito de me defender e pela "tiração de onda com minha cara". E fiquei pensando: será que era serenidade ou apenas aceitação? Será esse o significado desse ataque de fúria? Não sei, só sei que pela primeira vez "soltei os cachorros", falei o que eu queria, sem medir palavras, sem polir muito (na verdade eu poli só um pouquinho, porque tive contade de, no final, dizer: dane-se você , sua família, namorada-ficante-amante e todos que me condenaram pelo que escrevi! Por que não disse? Restou-me um pingo de consideração pelo que já houve, eu acho...). Mas me aliviou.
O texto sobre a serenidade, tem um outro trecho que me deu esperanças:
"Curioso o comportamento humano de se agarrar numa solução ideal mesmo sabendo que ela não será possível. Quando isto não acontece pode surgir à revolta como forma de chamar a atenção e buscar sanar a carência que o nosso desejo não realizado criou. A serenidade só vem depois disto, quando se percebe que quebrar coisas e socar paredes não trará a situação perdida de volta e se mobilizar é necessário."
Foi isso que procurei fazer sempre, me mobilizar. "A serenidade vem depois disso..." É o que vou fazer agora mesmo, me mobilizar, movimentar, agir. Fui!!!!

Antes quero dar os créditos ao autor do texto: http://coisasqueeuvivendo.blogspot.

Eri.

3 comentários:

Flavinha e Meu mundo disse...

Eri
Como eu me identifico com vc. Quantas vezes soltei os meus cachorros (claro que não passavam de poodles, mas bem que poderiam ser uns Pitbulls) pra cima dele afinal havia uma certa consideração da minha parte. Nem preciso dizer que de algumas coisas, até me arrependi, mas precisavam ser ditas...
Aliás, minha primeira terapeuta sempre me disse pra eu não guardar nada e falar mesmo. Falar tudo que der na telha... Se me criticarem, só estou seguindo o conselho dela...rs
Pena que você não coloca foto no seu espaço, senão, queria ver tb como ficou depois dessa transformação.
E sabe o que mais? Temos que deixar de ser politicamente correta, polida moralmente e amadurecida socialmente. BAH!!
Nem preciso dizer que A-M-E-I o seu texto que colocou lá no meu espaço.
Moça... É isso aí!! Força, garota!!
Bjs

Flavinha e Meu mundo disse...

Ah... ia me esquecendo, mande esse mané de condinome "Anônimo" pra... pra... pra algum lugar que não seja aqui...rs

luis disse...

O casamento foi instituido por Deus. foi um ato de doação.

casamento é uma doação.

Adão doou uma de suas costelas para Deus fazer eva.

o marido é a cabeça da mulher (decisões) e o marido deve amar a mulher assim como Jesus amou e deu a sua vida pela Igreja.

agora quem quer se casar deve orar, perguntar ao Senhor e vê se as atitudes dele ou dela são de acordo com a vontade de Deus.

nas novelas, todas as vezes quando aparece traições toca uma musiquinha alegre, ninguém sofre, todos aparecem felizes(isso é uma mentira), mas lembre do primeiro palpitar diferente de seu coração quando olhou a sua esposa ou marido pela primeira vez.

o que segura um casamento ? não é sexo, nem filho e sim o conhecimento da Palavra de Deus.

Se Jesus estiver no centro do casamento ele pode passar por aflição, mas não acaba, pois um nó de 3 dobras (Jesus, marido e esposa) não se desfaz.

Você casa não para ser feliz, mas para fazer primeiro o outro feliz.

A palavra de Deus diz :

"osso dos meus ossos, carne de minha carne."

serás a minha auxiliadora.

o que aconteceu quando a mulher ficou sozinha ?( sem apoio de adão) ela foi enganada pelo mal e ela caiu, ela não deveria dar ouvidos a outra coisa a não ser Deus e adão.
Adão quis agradar a eva e desagradou a Deus, ele caiu também.
a serpente se travestiu de amiga para enganar eva.
todos tiveram consequencias (adão trabalhou para comer, a eva teve dores de parto e a serpente comeu o pó da terra)
não ouça a voz de outros ou de outras, ouça a voz de JEsus.